Menu de Páginas do Blog

Gestão | Empreendedorismo | Carreira

O que se espera de um bom Administrador – 3ª parte

Este assunto já foi abordado aqui no blog. Aqui e aqui.

Mas, afinal, porquê se espera tanto do administrador? Deve ser porque ele lida com gente, com situações e com fatores diversos e totalmente imprevisíveis. Talvez, seja por isso que a profissão é apaixonante.

Essa imprevisibilidade, já é um bom motivo pelo qual o profissional da administração deve conhecer bem as ferramentas administrativas. Pois elas podem salvar a sua pele e sua reputação diante dos desafios que, certamente, enfrentará ao longo da sua vida. Desta forma, ter uma caixinha de ferramentas sempre pronta é indispensável. Afinal, o seu conhecimento é fundamental na hora de decidir o quê fazer, quando surgir algum incêndio. E, em verdade, os incêndios sempre aparecem quando menos os esperamos.

Pois bem, a palavra-chave então é “conhecimento do administrador”. É exatamente neste ponto que começam os problemas. Para obter conhecimento só há um caminho a seguir: O aprendizado. E ele pode vir de duas formas:

  1. Através dos estudos: formais, como a faculdade e cursos técnicos; ou informais, como a leitura e pesquisa(autodidatas) e;
  2. Empiricamente: popularmente conhecido como “na raça”; ou seja, na base do teste e erro; na cara e na coragem.

No primeiro caso, a ideia de passar vários anos numa sala de aulas não agrada muita gente. Ler, então… menos. Principalmente se falarmos dos livros mais consagrados da administração, com 400, 500, 800 paginas(ou mais) cada um. São de dar medo, em quem não está habituado a ler.

No segundo caso, na raça, antigamente, nos primórdios da Administração, era mais aceitável. Até mesmo, porque a ciência da área era muito escassa e a estrutura de pesquisas e dados que temos hoje era, praticamente, inexistente. Atualmente, o que mais conta é um currículo recheado, um diploma carimbado por uma instituição de ensino renomada e, claro, um bom tempo de experiência na área. Todos temos que convir que este pacote é uma verdadeira joia rara.

Ainda no caso do diploma, esbarramos em outro grave problema:  ele tornou-se o principal fator motivador para muitos cursarem uma faculdade ou algum curso técnico. Independentemente da assimilação do conteúdo. Apenas para turbinar o currículo mesmo. Como se isso agregasse de fato algo relevante na vida de alguém. Ledo engano. Na hora H, o conhecimento assimilado e posto em prática é o que vale. Pois, na vida real, administrar é para os fortes. E não importa se o estilo adotado é o de liderança, o de gerência ou de controle. O que importa é saber o que está fazendo e fazer bem o que faz.

A caixa de ferramentas do bom administrador

Todo administrador, independente da forma como adquiriu seu conhecimento, deve(ria) saber de cor e salteado as coisas elementares de administração. Ou, pelo menos, possuir uma estante com seus manuais de práticas administrativas, direito empresarial, marketing, finanças e contabilidade entre outros, para consultá-los sempre que necessário.

Além desta estante, seguem alguns itens mencionados aleatoriamente, que devem constar obrigatoriamente na caixa de ferramentas do administrador. Esta inclui, mas não se limita, a:

  • Saber identificar e analisar oportunidades;
  • Planejamento (começo, meio e fim);
  • Plano de negócios(documentado);
  • Entender e lidar com a Economia (globalização, câmbio, inflação, juros, aquecimento, recessão etc);
  • Formação de preços;
  • Sistema Integrado de Gestão(ERP, SAP, CRM etc);
  • Leitura e interpretação de: DRE, Balanço patrimonial, Análises vertical e horizontal, Índices de liquidez, endividamento e rentabilidade, Fluxo de caixa, Capital de giro, Formas de financiamento etc;
  • Mix de marketing;
  • Desenvolvimento organizacional;
  • Código de Defesa do Consumidor;
  • Comunicação empresarial (memorandum ata de reunião, carta comercial, boletins, contratos, cobrança etc);
  • Seleção de pessoal;
  • Treinamento;
  • Liderança;
  • Escolha do negócio e do mercado;
  • Escolha do produto;
  • Viabilidade financeira;
  • Ponto de equilíbrio;
  • Capital inicial;
  • Mensurar riscos e potencialidade;
  • Tipo de sociedade;
  • Missão, visão, valores, objetivos e estratégias;
  • Gestão de Qualidade;
  • Avaliação de riscos;
  • Objetivos globais;
  • BSC;
  • SWOT;
  • Gestão de equipes;
  • Empowerment;
  • Motivação;
  • Gestão de produção;
  • Benchmark;
  • Finanças;
  • Inovação;
  • Projetos;
  • MBG;
  • Etc…

Todas estas ferramentas(e outras que não estão aí) podem funcionar como um verdadeiro oráculo para o administrador. Desde que ele saiba utilizá-las, claro. Grande parte da assertividade nas suas decisões depende de algumas, de várias ou de todas estas ferramentas. E isso é só o básico dos básicos do básico.

Cabe mencionar, que não vale afirmar que não tem boa memória e que irá contratar gente para levar a cabo estas atividades. Mesmo contratando pessoal especializado para executar estas ferramentas separadamente(o que é bastante lógico), o administrador deve conhecê-las razoavelmente bem. Afinal, isso também é o que se espera de um bom administrador: que saiba administrar bem e que possua os conhecimentos necessários para fazê-lo da melhor forma possível.

Leia a série completaO que se espera de um bom Administrador

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *