Pages Navigation Menu

Foco no Empreendedorismo em Rede

Princípios da Administração Científica – Frederick W. Taylor

Graças ao engenheiro Frederick W. Taylor (1856-1915), a Administração é hoje uma ciência. Os Princípios da Administração Científica, dos quais Taylor é considerado pai e idealizador, tem como característica principal a ênfase nas tarefas com o objetivo de aumentar a eficiência operacional.

Antes que Taylor desenvolvesse suas teorias, os próprios empregados administravam a linha de produção das fábricas. Tudo era feito empiricamente e sem nenhum controle por parte da direção das empresas que, em muitos casos, desconhecia o processo de produção. Como resultado a produtividade era baixíssima, pois os próprios sindicatos induziam os funcionários a produzir menos, porque assim, segundo se pensava na época, seus empregos estariam garantidos por muito mais tempo. Por incrível que pareça, a tática funcionava.

Foram trinta anos de estudo até que Taylor publicasse sua teoria – acompanhada de fatos – conhecida como os “Princípios de Administração Científica”. Com o novo modelo administrativo sugerido por Taylor, as empresas aumentavam consideravelmente sua produção, os empregados ganhavam mais e os produtos ficavam mais baratos para os consumidores.

Abaixo segue uma lista com alguns pontos positivos dos Princípios da Administração Científica de Taylor, que beneficiam diretamente trabalhadores e empresas, inclusive na atualidade.

Benefício aos trabalhadores

  1. Especialização de cada funcionário dentro de uma função específica.
  2. Salários mais elevados, que chegaram a atingir, em alguns casos, o dobro de antes.
  3. Política de incentivos por metas de produção cumpridas (Meritocracia).
  4. Condições de trabalho; O conforto no ambiente de trabalho ganha força, porque influencia diretamente na produtividade.
  5. Oferecer as instruções sistemáticas adequadas aos trabalhadores, treinando-os para produzir mais e com melhor qualidade. O treinamento passa a ser responsabilidade da gerência.
  6. Eficiência na produção, sem implicar esforço extra dos trabalhadores.
  7. Jornada de trabalho reduzida e pausas para descanso.
  8. Concessão de dias de descanso remunerados aos empregados.

Benefício para as empresas

  1. Produtos com qualidade superior aos anteriores.
  2. Eliminação de desperdícios e, consequentemente, das perdas sofridas pelas empresas.
  3. Aumento dos níveis de produtividade.
  4. Redução de custos dentro do processo produtivo, com a eliminação de gastos desnecessários, como as constantes inspeções, por exemplo.
  5. Desenho de cargos e tarefas.
  6. Seleção científica: Contratar a pessoa correta, segundo suas aptidões e capacidades para a função a ser desempenhada.
  7. Aproveitamento eficiente dos recursos e do tempo. Produzir mais utilizando menos.
  8. Supervisão funcional: os operários são supervisionados por alguém especializado.

Taylor, o temperamental

Frederick Winslow Taylor

Taylor, nasceu em Filadélfia no estado da Pensilvânia, EUA, em 1856. Em 1878, depois de estudar na Europa e recusar fazer o curso de Direito em Haward, optou por trabalhar na Midvale Steel Company. Começou como operário mas logo passou para escriturário, maquinista, contra mestre (gerente) e finalmente engenheiro chefe.

Quando ainda era chefe da seção das oficinas de construção de máquinas, teve que lidar com um grave problema: a galeria subterrânea de esgoto, que passavam bem no meio da fábrica entupiu. Os homens encarregados de desentupir as manilhas, a sete metros de profundidade, desistiram e disseram que era impossível resolver o dilema. O fracasso da operação, obrigaria a paralisação da fábrica para o início das escavações para  o desentupimento das galerias. O prejuízo financeiro seria enorme.

Foi então quando Taylor tomou uma decisão característica de seu forte temperamento: trocou de roupa, amarrou sapatos em seus joelhos e cotovelos – para proteger-se – e decidiu resolver o problema. Assim, sozinho.

Entrou na galeria, engatinhando por mais de cem metros até chegar à obstrução, desentupiu os canos com as próprias mãos e retornou vitorioso. Imediatamente foi vítima das chacotas de seus colegas, pois saíra coberto de sujeira da galeria, como já era esperado. Mas a zombaria durou pouco, pois o presidente da companhia, vendo que havia economizado muito dinheiro, levou o caso ao Conselho Administrativo. Frederick W. Taylor foi promovido em seguida.

Se restava alguma dúvida em quanto ao espírito de liderança de Taylor, certamente foi  levada junto com os detritos do esgoto.

Retornando  ao nosso foco, o Princípio da Administração Científica, Taylor sofreu muitas oposições às suas ideias. Principalmente por parte de sindicalistas e gerentes que sentiam-se ameaçados pelo novo modelo de administração que chegava para ficar.

Entre as críticas e acusações feitas a Taylor e a seu novo modelo de gestão estão:

  • Modelo inadequado de Taylor da motivação do trabalhador
  • Ignorância de fatores sociais
  • Autoritarismo
  • Tratamento de homens como se fossem máquinas
  • Exploração de trabalhadores
  • Anti-sindicalismo
  • Desonestidade pessoal

Muitas destas afirmações são falsas, algumas inclusive, ridículas. Hoje, quase um século depois da sua morte, poderíamos dizer que alguns conceitos de Taylor estivessem contextualizados para sua época, mas a realidade é que a maioria deles são totalmente atuais, aplicáveis e válidos atualmente.

Leia, também, a nossa série: “O aprendizado do jovem Administrador”, nos seguintes links:

Exemplos

No texto que segue abaixo, há duas gerações de empresários bem-sucedidos que seguiram a linha de administração de Taylor. Um norte-americano: Henry Ford. E o outro, um italiano naturalizado brasileiro: Salvador Arena.

Henry Ford

A influência da teoria de Frederick Taylor chegou a níveis incríveis. Henry Ford seguiu à risca os princípios de padronização e simplificação da Administração Científica, e revolucionou a indústria automobilística.

“Quando você paga bem aos seus homens, pode conversar com eles.” Henry Ford

Linha de montagem Ford (1923)

Em 1914 Ford surpreendeu o mundo pagando a seus empregados um salário de USD$ 5 por dia, ou seja, mais do que o dobro registrado até aquele momento em qualquer outra empresa. E foi mais além, reduziu a jornada laboral de 9 para 8 horas diárias em 5 dias de trabalho por semana. Como resultado, deteve-se a alta rotatividade de empregados, e os melhores mecânicos de Detroit foram atraídos para Ford. Desta forma os custos com treinamentos eram mínimos, e ganhava-se em mão de obra qualificada fazendo com que a produtividade ultrapassasse todos os limites conhecidos.

Outra inovação de Ford foi a repartição do controle acionário da empresa com seus funcionários, ou seja, participação nos lucros. Ford acreditava que empregados satisfeitos produziam mais e melhor.

Em 1926, Ford empregava 150 mil pessoas e fabricava cerca de 2 milhões de carros por ano. A principal característica de Ford foi o aperfeiçoamento da linha de montagem. Uma esteira rolante movimentava os veículos enquanto que cada funcionário realizava uma pequena etapa da produção.

Salvador Arena

No mesmo ano em que faleceu Frederick W. Taylor (1915), nascia Salvador Arena em Trípolis, Líbia (território sob domínio italiano na época). Arena era profundo admirador de Henry Ford e conhecia em detalhes sua vida.

Busto em bronze de Salvador Arena

Em 1942 Salvador Arena fundava, com apenas USD$200 dólares, a Termomecânica. Em 1948, e antes da promulgação da lei de incentivos financeiros para empregados, concedia-se o primeiro prêmio por produtividade. Arena abria um precedente, pois todos os envolvidos na realização de um grande projeto, que deveria ser entregue em um período curtíssimo, receberam o dobro ou mais de seus respectivos salários. O projeto resultou perfeito e foi concluído no dia combinado. Em ocasiões os trabalhadores recebiam o 13º, 14º, 15º, 16º… salários, no final do ano.

Todos os empregados domésticos de Arena tinham casa própria. Por quê? Ele os ajudava a comprar. Seus funcionários estrangeiros recebiam, com certa frequência, passagens aéreas para visitar a família em seus respectivos países.

“Repita a comida quantas vezes quiser, mas não deixe comida no prato. Pena pela desobediência: um mês de suspensão do restaurante.” Salvador Arena

Ninguém era demitido. Em tempos difíceis, Arena mandava seus funcionários pintar a fábrica, as máquinas ou organizava um mutirão para construir casas para os próprios funcionários.

Sem injustiças

Enfim, existem inúmeros e célebres exemplos de gestão que foram sacrificados por este texto, mas certamente, a maioria deles basearam-se nos estudos da Administração Científica de Frederick Winslow Taylor.

Só me resta dizer que Taylor não era alguém superdotado de uma inteligência sobrenatural e nem andava todo engomadinho, pelo contrário, sua língua era vivaz e descritiva, soltava palavrões com frequência, e nada tinha de urbanidade e cortesia. Talvez isto lhe tenha gerado uma certa antipatia por parte de alguns setores da sociedade na sua época.

Mas Mr. Taylor esta perdoado, pelo menos pelos que admiram seu modelo de gestão; por causa da obra brilhante que realizou durante os trinta anos de estudos que dedicou para descobrir uma forma melhor de Administrar, quebrando o modelo ultrapassado de uma administração meramente empírica e nada funcional que reinava nas empresas.

A presente pesquisa baseou-se nas histórias de Frederick W. Taylor, Henry Ford e Salvador Arena, além de textos de outras fontes da web como a Wikipédia e de alguns fóruns de discussão sobre o assunto.

Fontes da pesquisa:

  • Introdução à Teoria Geral da Administração, Chiavenato.
  • Wikipedia

Antonio Martins Jr. – já publicou 205 posts neste blog.Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Protótipo em fotografia e jardinismo.

74 Comments

  1. Bom dia Antonio Martins, estou fazendo um trabalho escolar e gostaria de contar sua valiosa contribuição – relacionar os princípios
    administrativos apontados por Taylor, com as organizações
    contemporâneas, bem como analisar as questões burocráticas nas organizações e os seus impactos segundo a visão de Weber.

    • Oi Edmilson,

      Vou copiar aqui a resposta que dei mais abaixo a outra pergunta parecida à sua: “Podemos relacionar Taylor e a nossa contemporaneidade através dos princípios da organização do trabalho, da especialização do trabalhador, da participação da alta administração em todo o processo produtivo e, sem dúvida, no alcance da eficiência e da produtividade. Ou seja, fazer cada vez mais com cada vez menos.”

      Quanto às questões burocráticas, talvez você possa iniciar o seu trabalho destacando que estas se dão quando há aceitação da autoridade, quando se baseia na crença, na legalidade das leis e regulamentos. A racionalidade da burocracia, visa encontrar os meios mais eficientes para atingir as metas da organização. Além disso, em tratando-se de organizações, a burocracia é útil no processo seletivo de pessoal, uniformidade nas rotinas, confiabilidade, constância, entre outros.

      Sugiro para a sua pesquisa o livro “Introdução à teoria geral da administração”, de Idalberto Chiavenato. Neste livro, o autor nos dá uma visão mais profunda sobre o tema da burocracia segundo Weber.

      Abraço!

  2. os três princípios de ford são intensificação , economicidade como ode ser osbervado e produtividade nos dias de hoje

  3. por curiosidade qual a relação dos princípios administrativo de Taylor com as organizações contemporânea

    • Oi Lucimara!

      Podemos relacionar Taylor e a nossa contemporaneidade através dos princípios da organização do trabalho, da especialização do trabalhador, da participação da alta administração em todo o processo produtivo e, sem dúvida, no alcance da eficiência e da produtividade. Ou seja, fazer cada vez mais com cada vez menos.

      Abraço!

  4. Olá Antonio, em relação a dell podemos relaciona-la a qual teoria da administração científica?

    • Oi Henrique,

      A Administração Científica foi o movimento do qual originou-se a ciência da Administração, lá na Era Industrial. A Era hoje é outra; vivemos imersos na Informação.

      Desta forma, relacionar as empresas ultramodernas, como a Dell, aos conceitos da Administração Científica do início do século passado não é muito adequado.

      Eu classificaria a Dell em alguma das novas abordagens da Administração. Talvez numa categoria de Administração Virtual, pois a Era da Informação(jamais imaginada por Taylor e cia.) veio para ficar e transformou tudo o que conhecíamos há duas ou três décadas.

      O mesmo ocorre com os grandes fabricantes de refrigerantes, eletrônicos, automóveis, etc…. Ao contrário da época de Taylor, já quase não há humanos nas linhas de produção e os “tempos e movimentos” agora ficam por conta de computadores e robôs. E os resultados, chegam diretamente no aplicativo de celular do diretor.

      Abraço!

  5. Olá Antônio!

    você poderia falar sobre os aspectos da produção em massa?

    • Oi Marília,

      Referente ao contexto do post, podemos afirmar que é o tipo de produção popularizada por Henry Ford, também conhecida como produção em larga escala de produtos padronizados. Neste processo, faz-se uso intensivo de capital na relação máquinas/trabalhadores e qtd.produzida/custo de produção.

      Foi substituída pela produção enxuta, lá pelos anos 80′s, por conta dos métodos japoneses de produção.

      Uma das vantagens da produção em massa é o baixo custo de produção, uma vez que todas as partes do produto são padronizadas e não precisam de revisões constantes. Uma desvantagem é a falta de flexibilização, uma vez que o desenho do produto dificilmente será redesenhado após o início da produção.

      Espero ter ajudado.

      Abraço!

      • E qual seria um exemplo prático na atualidade?
        Você poderia citar algum?

        • Eu sempre digo que a Dell é um dos melhores exemplos dessa nova realidade da produção em massa. Pois mesmo mantendo a linha de produção em operação, na fabricação de seus computadores, ela é uma empresa totalmente enxuta, com estoque zero, graças ao seu modelo de negócios de produção sob demanda.

          Abraço!

          • Antônio muito obrigada, ajudou muito nas minhas dúvidas.
            Grande abraço.

          • De nada Marília! Disponha.
            Eu que agradeço a visita ao site e a confiança.
            Abraço!

  6. eu gostaria de saber sobre pontos negativos e positivos

    • Olá Danielly,

      Os pontos positivos, você pode encontrar no texto, nos subtítulos “Benefício aos trabalhadores” e “Benefício para as empresas”.

      Para os negativos, eu posso destacar alguns: Ignorância de fatores sociais, Autoritarismo, Tratamento de homens como se fossem máquinas, Exploração de trabalhadores, Anti-sindicalismo, Desonestidade pessoal, entre outros.

      Abraço!

  7. boa tarde antonio , estava pesquisando sobre esse assunto para fazer um trabalho da faculdade e vi seu blog e goste muito , mais ainda tenho unas duvidas sera que podria me ajudar ? qual importância das contribuições de Taylor e por que a questão da Administração é discutida até nos dias de hoje.

    • Olá Eliane, obrigado pela visita.

      Talvez, a principal contribuição de Taylor para a Administração, foi torná-la científica. A partir daí o profissionalismo e a pesquisa na área cobraram forças.

      Por outro lado, a importância de suas contribuições foram diversas: Melhor utilização dos recursos; padronização da produção; especialização do funcionário; engajamento entre a alta administração e o chão de fábrica; melhores salários; compensação por metas cumpridas; redução de carga horária de trabalho; melhorias nas instalações do local de trabalho; instituição dos intervalos e do descanso como meio para melhorar a produtividade, entre outros.

      Claro, não podemos esquecer das críticas também. A principal delas, foi a mecanização do homem. Tornando-o uma mera parte das engrenagens das máquinas.

      E, bem, a Administração é uma ciência social. Por isto, está em constante metamorfose. As inovações, as tecnologias, as habilidades e o tempo cada vez mais escaço, nos obriga a discutir novos e melhores formas de Administrar.

      Um abraço!

  8. Ótimo texto Antonio. Parabéns! Eu gostaria de saber o significado da meritocracia para o Taylor.

    • Olá Éder, obrigado pela visita!

      Um dos motivos foi que Taylor identificou a tal “vadiagem sistemática”, onde os operários em sintonia com os sindicatos, trabalhavam em marcha lenta, para tratar de preservar seu trabalho. Uma vez que quanto mais devagar trabalhassem, mais trabalho por mais tempo estaria garantido. Outras vezes, tudo era feito empiricamente, observando o colega do lado, e, portanto, “nas coxas”. Desta forma, a qualidade e a padronização eram artigos de luxo para as administrações da época.

      Daí surgiu o estudo de tempos e movimentos de Taylor, no qual constatou-se que era possível produzir mais, em menos tempo, com períodos de descanso e melhores salários. A partir daí, passou-se a pagar o funcionários não somente por dia de trabalho, mas por quantidade de produção. Ao atingir certas metas, o trabalhador aumentava sua renda. Assim, ao invés de manter a tal vadiagem no trabalho, os operários teriam melhores motivos para produzir mais e ser melhor recompensados.

      De certa forma, isto ainda funciona bem hoje.

      Abraço!

  9. boa noite, eu gostaria de saber quais foram as experiencias de Taylor na oficina mecanica?

  10. Ola !gostaria de saber porque taylor queria que os operarios descansassem

    • Oi Marcio,

      Em seus estudos, Taylor percebeu que o operário rendia mais quando haviam pausas programadas para o descanso durante o expediente. Isto rompia a rotina e, consequentemente, a exaustão. Dado que naquela época, os trabalhos eram quase exclusivamente braçais. E, tal como já sabemos, ninguém é de ferro.

      Foi naquela época também que surgiram os primeiros movimentos a favor da jornada de trabalho de 8 horas diárias. Lembre-se que era comum as pessoas ficarem 14, 16, 18 horas seguidas trabalhando.

      Em suma, Taylor conseguiu desenvolver um sistema de produção, na qual o homem produzia mais trabalhando menos. Isto é justamente o que a Administração procura até hoje: produzir cada vez mais empregando cada vez menos recursos.

      Abraço!

  11. Antônio, você saberia me informar qual seria os resultados alcançados por Frederick Tayllor? Obrigado pela atenção.

    • Oi Fábio,

      A gente pode dividir o trabalho de Taylor em dois períodos, sob os quais ele chegou aos resultados mais importantes de suas pesquisas.

      No primeiro período, correspondente à época da publicação do seu livro Shop Management(1903), ele mostrou os resultados referentes às técnicas de racionalização do trabalho do operário, por meio do estudo de tempos e movimentos. Neste estudo, Taylor verificou que o operário médio produzia muito menos do que era potencialmente capaz de produzir, enquanto que o operário mais produtivo recebia a mesma remuneração que o seu colega improdutivo. Dessa forma, esse sistema causava acomodação e perda de interesse em produzir mais e melhor. Assim, os resultados obtidos por Taylor, o levaram à seguinte conclusão: a) O objetivo da administração é pagar salários melhores e reduzir custos unitários de produção; b) Para realizar esse objetivo, a administração deve aplicar métodos científicos de pesquisa e experimentos, para estabelecer processos padronizados; c) Os empregados devem ser cientificamente selecionados e colocados em seus postos com condições adequadas de trabalho; d) Os empregados devem ser cientificamente treinados para aperfeiçoar suas aptidões; e) A administração precisa criar uma atmosfera de cooperação com os trabalhadores.

      No segundo período, que corresponde à publicação do seu outro livro The Principles of Scientific Management(1911), Taylor desenvolveu o trabalho que sugeria a estruturação geral da empresa como um todo, para tornar coerente a aplicação dos seus princípios. Foi neste período que Taylor apontou que as empresas sofriam de três males: 1. A vadiagem sistemática dos operários; 2. O desconhecimento pela gerência das rotinas de trabalho; e 3. A falta de uniformidade das técnicas e dos métodos de trabalho. Foi nesta época, também, que surgiu o nome de “Administração Científica”, como título para os conceitos criados por Taylor. Na poca, ele concluiu que administração deveria aplicar: paciência em lugar do empirismo; harmonia em lugar da discórdia; a cooperação em lugar do individualismo; o rendimento máximo em lugar da produção reduzida; e o desenvolvimento de cada homem a fim de alcançar maior eficiência.

      Estas explicações foram tomadas do livro “Teoria Geral da Administração” (2011), 8ª ed., de Idalberto Chiavenato.

      Espero poder ter ajudado.

      Abraço!

  12. Qual é a sua visão em relação ao controle da gerência sobre os funcionários da empresa?como o gerente deve proceder com a vadiagem dos em pregados ? Você e a favor do controle absoluto.

    • Oi Luana,

      Toda empresa deve, pelo menos em tese, possuir suas normas, e estas devem ser claras e conhecidas por todos os seus envolvidos. Neste caso, o controle exercido pela gerência deve ser na direção de fazer valer as normas. Isto, para manter a ordem, a segurança e o respeito aos direitos de todos. Não é a toa que as empresas são chamadas de “organização”.

      No caso da vadiagem sistemática: 1. o plano de metas e objetivos deve ser claro, mensurável e atingível. Logo, será fácil identificar os colaboradores que não estão sendo eficientes e, portanto, não rendem o que deveriam render. Daí, deve-se avaliar o porque do baixo rendimento e tomar-se as devidas providências. Sejam elas de capacitação, reciclagem ou de demissão. 2. Um processo seletivo bem feito, no ato da contratação, deveria minimizar os efeitos da vadiagem. 3. O exemplo deve vir do topo da pirâmide. Se os colaboradores da base notarem o “corpo mole” de seus chefes, qual seria a vantagem deles darem a pele pela empresa?

      Quanto ao controle absoluto, não. O controle deve rígido apenas dentro dos limites das normas. Passou disso é assédio e abuso. Por isso a importância de se ter normas claras e, principalmente, que todos entendam e façam o pacto por cumpri-las.

      Há muito que dizer-se ainda sobre isto. O assunto é amplo e pode render vários posts.

      Obrigado pela pergunta e pelo prestigio da sua visita ao blog!

      Abraço! :)

  13. Olá estive visitando sua pagina e amei. Vou fazer um trabalho sobre o segundo principio de Taylor, sobre seleção, será em forma de teatro me dê uma ideia para desenvolver. Obrigada.

    • Olá Rita,

      Obrigado por prestigiar o nosso blog com a sua visita!

      Toda vez que imagino Taylor, vejo um sujeito sisudo, observando cada movimento do operário, com uma prancheta na mão, fazendo anotações e comparando o trabalho de um funcionário com outro. Tudo isso, para achar a equação ideal de tempos e movimentos dos processos para a realização do trabalho e selecionar(ou capacitar) os melhores trabalhadores.

      Há que destacar, que foi nesta época que a especialização do trabalhador, numa só tarefa, tomou maior força. Daí vem a ideia de “mecanização” do ser humano.

      Talvez isto possa ser aplicável ao seu trabalho.

      Abraço e boa sorte!

  14. Estou cursando administração e gostaria de saber se as contribuições da Administração Científica, pode ser consideradas atuais ?

    • Oi Julia,

      Considerando que a Administração Científica é a base da ciência da Administração que conhecemos, pode-se dizer que sim, as suas contribuições são amplamente utilizadas na atualidade. Por exemplo, a Qualidade Total, a Produção em massa, a melhor remuneração dos colaboradores, a especialização profissional, entre outros. Tudo isso teve início nos estudos de Taylor e de seus sucessores.

      Abraço!

  15. Oi Antonio, ótima matéria, mas gostaria de entender a relação de taylor e fayol com a toyota e idêntificar os danos ao colaborador dentro de seus moldes.
    Abraço!

    • Oi Dhana, obrigado pela visita!

      Eu considero a Toyota como um bom exemplo de extremos diferentes: Ótimo por um lado, por tornar a qualidade a a eficiência o seu ponto mais forte; e péssimo por outro, pela exaustão e semi-escravização dos seu colaboradores em uma época, para manter seu padrão de produção.

      O conceito da Administração de Taylor foi(e ainda é) amplamente criticado por essa “mecanização” do ser humano, tornando-o em apenas mais uma engrenagem das máquinas da empresa.

      Mas não podemos esquecer que foram os estudos de Taylor e Fayol que deram à Administração a característica científica que conhecemos hoje e, com ela, o progresso pela utilização dos métodos eficientes de administrar empresas.

      Abraço!

  16. queria saber as contribuições do modelo Taylor e Ford para as operações de produções logística

    • Olá Carlos Henrique,

      Sempre olhei o modelo de Taylor sob a ótica da produção e da produtividade. Possivelmente poderia-se aplicar à logística também. Mas, seria uma abordagem diferente ao que abordamos neste post.

      Sugiro que procure alguma literatura específica sobre logística e trate de comparar com os métodos de Taylor.

      Abraço!

  17. Pesquisando sobre Empirismo e improvisação, encontrei o seu blog, não poderia deixar de mencionar a sua contribuição com o nosso conhecimento, narrando os acontecimentos de forma ampla e de fácil entendimento.

    Parabéns!!!!

    Muito Sucesso.

    • Oi Norma,

      Fico muito grato com o seu comentário! São comentários assim que nos impulsionam para prosseguir.

      Obrigadíssimo sempre!

      Abraço!

  18. Gostei muito do conteúdo Parabéns!
    Tenho um trabalho a fazer onde se pergunta o termo pratico de empirismo e improvisação, termos bastantes citados quando falamos do inicio da TGA.Como voce poderia me ajudar a formular uma resposta,os conceitos eu sei,não sei por onde começar.Um abraço!

    • Oi Marcio,

      Primeiramente, muito obrigado por prestigiar o nosso blog com a sua visita e os seus comentários!

      Quanto à sua pergunta, o empirismo surge a partir da experiência sensorial da pessoa. No caso dos estudos de Taylor, foi identificado que o operário aprendia seu trabalho com base no que via do seu colega ao lado, ou seja, na imitação pura e crua das técnicas que ele utilizava. Mas, como cada indivíduo é capaz de perceber as coisas de forma particular, o trabalhador acabava agregando algo de si no seu trabalho e, desta forma, cada um acabava executando as tarefas de formas diferentes. É mais ou menos aquilo que conhecemos como “fazer nas coxas”. Por isso que a qualidade naquela época estava muito aquém do mínimo necessário.

      No caso do improviso, fazia-se o que podia-se com o que tinha-se à mão. A Administração não era profissionalizada e, muitas vezes, o administrador sequer conhecia bem os processos da sua fábrica. Por isso, o treinamento era algo quase tão inexistente quanto a qualidade do que era produzido. O trabalhadores se viravam como podiam.

      De certa forma, sem a profissionalização e a pradronização resultante das teorias da Administração. a improvisação e o empirismo, ainda hoje, tendem a andar de mãos dadas.

      Afora isto, existe muita literatura tratando do assunto por aí. Recomendo “Teoria Geral da Administração”, de Idalberto Chiavenato. Se não me engano, ele acabou de lançar uma nova edição.

      Espero ter ajudado.

      Abraço!

  19. Boa noite !!

    Antonio Martins Jr.

    de que modo as ideias tayloristas e fordistas se combinam entre si ?

    • Olá Telma,

      Eu diria que eram complementares. Pois, enquanto Taylor mantinha o foco na eficiência da produção, Ford utilizou o conceito desta eficiência em larga escala, objetivando o mercado. Taylor era mais de planejamento, seleção de pessoas, controle e execução de tarefas. Ford era economicista, ou seja, produzir mais com menos, maximizar a capacidade do operário para produzir mais, manter o mínimo possível de estoques e tinha o dom da palavra. Sabia vender muito bem.

      Se colocássemos os dois na mesma fábrica, Taylor seria o gênio da Produção, Ford seria o gênio do Marketing. Se chamássemos também Thomas Edison, e Andrew Carnegie, Edison seria o gênio da Pesquisa e Desenvolvimento, enquanto Carnegie seria o gerente estratégico. Todos foram contemporâneos e, seguramente, trocavam figurinhas e conversavam sobre como melhorar seus negócios.

      Abraço!

  20. Estou cursando tecnico em administração, e tenho que fazer um trabalho sobre Taylor, e sua materia me ajudou muito! Obrigado.

    • Que bom, Dricka!

      Obrigado pela sua visita. Volte sempre.

      Abraço!

  21. Adorei a matéria.
    Estou cursando Sistemas de Informação e fazendo uma atividade sobre Taylor, aqui tirei todas as minhas dúvidas.

    Parabéns… E que continue postando mais coisas interessantes como essa!

    • Oi Fabi,

      Que bom que o nosso conteúdo te ajudou. Bom curso para você e continue nos visitando sempre!

      Um grande abraço!

  22. oi gente …to fasendo RH em maputo adorei os vossos comentarios sao nota 10..parabens

    • Oi Maria,

      Obrigado por prestigiar o blog.

      Um grande abraço!

  23. Estudo Administração e tenho uma dúvida na análise comparativa de chefia para Taylor( Supervisão Funcional) e Fayol (unidade de comando) como posso destacar os pontos positivos e negativos da posição teórica de cada autor clássico.

    • Olá Weslei,

      Realmente, não tão fácil assim desmembrar estas duas posições. Até mesmo, porque ambos são patriarcas do que hoje conhecemos como Administração. Chiavenato, no seu livro “Teoria Geral da Administração”, 8ª edição, entra em detalhes bem profundos sobre cada um deles (Taylor e Fayol), entre as páginas 47 e 89. Sugiro a leitura, para que você tenha um entendimento mais adequado.

      Abraço!

  24. gostaria de saber: como a teoria de frederik taylor influenciou no processo de produção das empresas?

    • Olá Rita, obrigado pela pergunta.

      Antes da oficialização da Administração como ciência, que só ocorreu a partir dos estudos de tempos e movimentos (time-motion study) de Taylor, todo trabalho era feito de forma empírica, ou seja, o trabalhador aprendia a fazer o seu trabalho observando o colega do lado e tentando fazer a mesma coisa. Como resultado, o tempo despendido na produção era enorme, a produtividade beirava o ridículo e nem o que falar da qualidade da produção. Além disso, o salário era muito baixo, não havia especialização do profissional, a rotatividade de pessoal era um grande problema para as empresas e havia um abismo entre o colaborador e o administrador, que muitas vezes sequer sabia como se produziam seus produtos.

      A partir dos estudos de Taylor, fabricava-se muito mais e em menos tempo; o profissional se especializava em uma só atividade; os salários eram melhores e acompanhados de incentivos por produção; a jornada de trabalho era consideravelmente menor; diminuiu a rotatividade nas empresa; e o papel do administrador tornou-se mais necessário do que nunca, para planejar, organizar, dirigir e controlar os processos de produção. Com tudo isso, a qualidade da produção melhorou bastante.

      Mas nem tudo era perfeito na intervenção da teoria de Taylor na produção… os críticos reclamam sobre a mecanização do ser humano, com trabalhos repetitivos; autoritarismo dos chefes; exploração do trabalho, etc.

      Neste post, enfatizamos Ford e Salvador Arena como exemplos da aplicação dos métodos de Taylor nas suas linhas de produção.

      Espero ter ajudado.

      Um grande abraço!

  25. Olá, boa tarde. Estudo Ciências Contábeis. Estou estudando sobre Taylor e Fayol E necessito saber quais foram os feitos deles na Administração. Sei que você já comentou alguns feitos, mas quero saber se tem mais e quais são eles. Fico grata se responder :) Obrigada!

    • Já pesquisei em vários sites mas não consegui chegar em uma boa resposta, infelizmente :(

      • Olá Lucila, obrigado por visitar o nosso blog!

        Bom, entre as contribuições de Taylor, podemos destacar: Eliminação do desperdício; Administração como ciência; Organização racional; Divisão de trabalho; Análise de tempo e padrão; seleção e treinamento de pessoal; padronização e supervisão funcional.

        Já com Fayol, podemos destacar algumas de suas contribuições: Identificação das funções básicas da empresa; Conceito de administração; proporcionalidade das funções; princípios gerais de administração; Elementos da administração (Previsão, organização, comando, coordenação, controle).

        Todos estes dados foram extraídos do livro “Teoria Geral da Administração”, de Idalberto Chiavenato.

        Dificilmente você encontrará material completo o suficiente para o seu trabalho em blogs e sites. Por isso, eu sugiro que você procure algumas literaturas específicas, como a citada acima, entre outras, como fonte para a sua pesquisa.

        Um grande abraço e obrigado novamente!

        • queria saber as contribuições de Taylor e Ford pra as operações de produções logítica

  26. Quais eram os pontos positivos e negativos dos estudos da ADM CIENTÍFICA ?

    • Olá Thays,

      No próprio texto, eu citei alguns benefícios para os trabalhadores e para as empresas, e os possíveis pontos negativos, apontados por alguns críticos.

      Para os pontos positivos, observe os subtítulos “Benefício aos trabalhadores” e “Benefício para as empresas”.

      Para os negativos, podemos destacar: Ignorância de fatores sociais, Autoritarismo, Tratamento de homens como se fossem máquinas, Exploração de trabalhadores, Anti-sindicalismo, Desonestidade pessoal, entre outros.

      Um abraço!

  27. Matéria excelente, li do início ao fim. Muito clara e objetiva.
    Parabéns.

  28. resuma que teoria Taylor

  29. Estou iniciando o curso de Técnicos em Administração, gostei da maneira clara colocada em sua pesquisa.

  30. Muito bom este conteúdo me ajudou muito no meu trabalho de O.S.M

  31. GOSTARIA DE SABRER COMO ERA A ADMINISTRAÇAO ANTES DE TAYLOR REFERENTE AO TRABALHO

    • Olá Katilane,

      Antes dos estudos de Taylor, o trabalho era empírico, ou seja, os trabalhadores aprendiam a trabalhar “colocando a mão na massa” e imitando o colega do lado. Não havia controle de qualidade nem de produção e, em algumas ocasiões, nem mesmo os responsáveis pela fábrica sabiam bem o que estavam fazendo.

      Com isto, a qualidade da produção era péssima, pois tudo era “feito nas coxas”, como dizem. A rotatividade era enorme e não havia um método adequado para a operação das ferramentas e/ou máquinas.

      Taylor foi “o cara” que deu início aos estudos de tempo e movimento. Desta forma, os métodos mais adequados de produção foram implantados e os trabalhadores começaram a ser devidamente treinados para uma determinada função. Isso daria início ao que o Humanismo chamou de “mecanização” do trabalhador, mas isso é outra história.

      Um grande abraço!

  32. Ótima matéria, bem “Taylorista” meu primeiro contato com o assunto(estou iniciando em Gestão de Produção)e em poucas linhas me atualizei em alguns anos.

    • Que bom que gostou, Nelson! Obrigado pelo seu comentário… vá em frente e muita sorte na sua carreira!

      Abraços!

  33. Estou no primeiro período do curso de logística, e para mim o “O Princípio da Administração Cientifica” é muito importante; nos da uma visão de como lidar com situações do dia a dia.

    • E além de tudo, é uma teoria completamente aplicável atualmente. Claro, ressalvando as mudanças sociais e trabalhistas ocorridas desde então.

      Um abraço e obrigado pelo comentário!

  34. Boa materia -

    • Muito obrigado João!

      Um abraço!

      • sou de mocambique e estou a cursar rh, foi proveitosa a visita a este artigo.

        • Olá Rogério,

          Obrigado por prestigiar o blog com a sua visita. Boa sorte no seu curso!

          Um abraço!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Enfoquenet: E o blog cumpriu dois anos - EnfoquenetEnfoquenet - [...] Princípios da Administração Científica – Frederick W. Taylor [...]
  2. Enfoquenet - [...] a sobremesa deliciosa que provamos após o jantar. Em algum momento houve alvoroço no jardim, era Taylor soltando palavrões ...
  3. Relatório Fevereiro/2012 | enfoquenet - [...] Princípios da Administração Científica – Frederick W. Taylor [...]
  4. PDCA – Foco na melhora contínua | enfoquenet | Empreendedorismo e Estratégia Web - [...] que Frederick W. Taylor, Henri Fayol e Max Weber começaram a estudar os modelos clássico, científico e burocrático da ...

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>