Menu de Páginas do Blog

Gestão | Empreendedorismo | Carreira

Quero ser patrão, mas… vai ficar caro?

Respondo da seguinte maneira: Caro para alguns, barato para outros. Tudo depende da sua capacidade de gerenciamento. Todos já ouvimos casos de pessoas que começaram do zero e tornaram-se gigantes, enquanto que outros, que tinham capital de sobra, fracassaram. Não que aqueles sejam melhores que estes, mas a forma com que administraram seus recursos fez toda diferença.

Neste artigo vamos analisar alguns aspectos financeiros referentes ao projeto de abertura e gerenciamento de um negócio.

Análise inicial

De início os investimentos abrangem todos os itens necessários para abertura de um negócio. Para isto, é necessário calcular de forma realista, o capital exigido para dar o pontapé inicial e a posterior manutenção do empreendimento.

Considere a necessidade de suprir os custos dos primeiros meses de atividades, pois este é um período crítico no qual é comum não haver retornos imediatos.

Levará algum tempo para que os ativos se igualem ou sejam maiores que os passivos. Uma dica para quem pensa em ser patrão é preparar-se psicológica e administrativamente, para não se desesperar ou declarar falência ao primeiro sinal de prejuízo.

Contextualização geral dos investimentos

Investimentos físicos:

  • móveis
  • reformas
  • utensílios
  • imóvel
  • veículos
  • máquinas e equipamentos
  • terrenos

Capital de giro (investimento financeiro):

  • estoque inicial de matéria-prima (indústria) ou mercadorias (comércio)
  • mão de obra
  • despesas fixas

Outros gastos:

  • Despesas com propaganda inicial (site, folhetos, banners, etc)
  • Despesas com registro, contador ou advogado
  • Outros

Custos fixos e variáveis

Mas é depois que tudo está em ordem e as portas do empreendimento abertas, que o administrador terá que utilizar toda sua capacidade para gerenciar as entradas e manter a estabilidade do seu negócio.

Custos Fixos: são aqueles que não sofrem variação quando a empresa vende muito ou pouco. Sua principal característica é manter-se constante. Alguns exemplos são: salários, aluguel, prestações, etc.

Vale ressaltar outros componentes de custo fixo:

  • Gastos com a manutenção preventiva proveniente do envelhecimento e desgaste causados pela utilização dos bens da empresa.
  • Seguros pagos pela empresa.
  • Mão de obra indireta, ou seja, que não atua diretamente na produção.
  • Os encargos sociais e também os benefícios concedidos aos empregados devem ser igualmente contabilizados.

Custos Variáveis: são aqueles que sofrem variação com o volume das vendas e das receitas. Geralmente são representados pelos seguintes itens:

  • Mão de obra direta (comissão e horas extras)
  • Matéria-prima (indústria)
  • Custo da mercadoria vendida (comércio)
  • Embalagens

Observe que cada ramo é distinto em diversos aspectos, por tanto é necessário que o empreendedor pesquise sobre as exigências legais, produtivas e de funcionamento da atividade econômica que pretenda exercer.

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

2 Comments

  1. Muito legal, sou de Angola(Africa) e sem querer esbarrei no teu site, achei muito legal e vou divulgar.

    • Olá Toy dos Santos,

      Obrigado pelo prestígio do seu comentário.

      Um super abraço a todos aí na Angola!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Três desafios das micro e pequenas empresas para se destacar no mercado | Enfoquenet - [...] Quero ser patrão, mas… vai ficar caro? [...]

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *