Menu de Páginas do Blog

Gestão | Empreendedorismo | Carreira

Stakeholders: Os grupos de interesse da empresa

Dando continuidade à série “O aprendizado do jovem administrador”, vamos conversar sobre os stakeholders. Para ver a lista de todos os artigos desta série, assim como para conhecer o motivo pelo qual estamos trabalhando nela, acesse o post de apresentação clicando aqui.

Os stakeholders são os grupos de interesse da empresa, que nela investem seus recursos financeiros, insumos, fornecem produtos ou serviços, trabalham, compram, etc. E, claro, como ocorre em toda ação que envolve investimentos, os stakeholders esperam retornos positivos e rápidos.

A principal característica destes grupos é o seu poder de influência na empresa. Eles interferem direta ou indiretamente nas decisões da organização forçando, em algumas ocasiões, a mudança ou a adaptação do planejamento previamente formalizado, custe o que custar.

Tipos de stakeholders

Para a nossa melhor compreensão, os stakeholders podem dividir-se em dois grandes grupos:

Internos

Podemos citar como stakeholders internos os proprietários, funcionários e os acionistas. Se o operariado, por exemplo, iniciar uma greve ou decidir organizar-se para protestar por melhores salários, benefícios, etc., a empresa deverá adotar as medidas mais apropriadas para que a produção volte à normalidade. Pois uma paralisação prolongada, ou até mesmo os tumultos, podem terminar custando muito caro. Se os acionistas, por exemplo, decidirem reduzir seus investimentos ou não fazê-los mais, afetarão diretamente no comportamento da direção da empresa. Até mesmo os proprietários podem, de acordo com as suas atitudes, mudar totalmente os rumos da organização, tanto positiva como negativamente.

Externos

Os grupos de interesse externos também possuem características próprias. Por exemplo, se os consumidores deixarem de comprar, a empresa será obrigada a mexer nos preços. Neste caso, para baixo, pois esta é a lei da demanda e da oferta. As decisões da empresa também podem sofrer interferências dependendo do comportamento do governo, dos fornecedores, da sociedade, da comunidade, das agências reguladoras, associações, sindicatos, concorrentes, mídia, etc.

Todos estes grupos interferem, em maior ou em menor grau, nas decisões corporativas, e esperam obter os melhores resultados possíveis da empresa. Por exemplo, o acionista espera que a prosperidade da empresa lhe proporcione rendimentos mais interessantes do que as demais aplicações financeiras disponíveis no mercado. De outra forma, não haveria motivos que respaldasse a ideia de continuar investindo na empresa. Por outro lado, o interesse do cliente está relacionado com a satisfação resultante das soluções obtidas através dos serviços ou produtos adquiridos. Os empregados, por sua vez, esperam uma compensação justa pelo seu empenho na produção e na geração de riqueza para seus patrões. O mesmo ocorre com os outros grupos, cada um com seu respectivo interesse.

Em todos estes casos notamos que todos os envolvidos procura extrair algum benefício da empresa, o que, com razão, nos leva a pensar que todos, de certa forma, desejam apenas tirar proveito até secar os seus recursos. Esta é uma das leis do mercado: Quem investe espera um retorno maior ou igual aos investimentos que foram realizados.

E agora caro leitor(a), você consegue identificar os stakeholders da empresa onde trabalha? A qual deles você pertence?

Leia a séria completa: Aprendizados do Jovem Administrador

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *