Menu de Páginas do Blog

Gestão | Empreendedorismo | Carreira




Teoria Clássica da Administração – Henri Fayol

Publicado por em 31/08/18 em Acadêmico | 0 comments

a Teoria Clássica da Administração é a mais usada na formação de novos Administradores, pois permite uma visão simples e ordenada, dissecando o trabalho organizacional em categorias úteis e compreensivas.

A abordagem normativa e prescritiva da Teoria Clássica da Administração está fundamentada em princípios gerais, com uma espécie de receituário que o Administrador deve seguir em todas as situações na empresa.

Continue lendo

Para que você quer um diploma?

Publicado por em 23/05/17 em Acadêmico, Carreira, Opinião | 0 comments

É admirável e inspirador ver alguém que passou anos numa sala de aula em sua fase adulta, conseguir com honras uma graduação de nível superior. Este é o lado bom da formação. O lado da superação, da conquista e da vitória sobre alguns desafios impostos pela vida. Mas também existe o lado escuro da força. Aquele que ninguém imagina que existe ao iniciar sua caminhada numa faculdade(ou que pelo menos faz de conta que não existe): me refiro àqueles que fazem um curso ou uma faculdade apenas pelo diploma, para dizer que tem um título, e não pelo conhecimento ou para ser alguém melhor na vida. E são muitos. Pobres coitados. E para falar disso, não é preciso complicar muito. Basta dizer que talvez a probabilidade de que o diploma te dê 100% daquilo que você espera dele, seja semelhante...

Continue lendo

As contribuições de Taylor, Fayol e Mayo para a ciência da Administração

Publicado por em 31/05/16 em Acadêmico | 12 comments

Para poder falar destas três figuras emblemáticas da Administração, devemos tratar de compreender como cada um contribuiu para a evolução desta importante área do conhecimento humano. Desta forma, em miúdos: Frederick W. Taylor contribuiu, entre outras coisas, para a eficiência operacional e a produtividade, por meio dos seus estudos de tempos e movimentos e da especialização do trabalhador em sua função. Além disso, seus estudos possibilitaram remunerações e incentivos por metas de produção, aumento na produtividade e a redução nos desperdícios, na alta rotatividade e nos horários de trabalho. Henri Fayol transformou a Administração numa disciplina a ser estudada. Pela primeira vez ouviu-se sobre as funções de um administrador: Planejar, Organizar, Comandar, Coordenar e Controlar. Preocupou-se com a estrutura organizacional como um todo, institucionalizando e estabelecendo hierarquias claras na organização. Elton Mayo, além de pesquisador das organizações, foi o mentor...

Continue lendo

A administração e o planejamento segundo Sun Tzu

Publicado por em 16/04/13 em Acadêmico, Administração, Planejamento | 0 comments

Se você chegou até aqui, provavelmente, já ouviu falar do livro “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu, séc. IV a.C. Possivelmente, também, não lhe seja nenhuma novidade que esta leitura é, praticamente, obrigatória para quem está seguindo a carreira de Administração e afins. Há vários autores muito bem conceituados, como Gustavo Cerbasi e Idalberto Chiavenato, por exemplo, que recomendam o livro repetidamente em suas respectivas obras. Confesso que este livro ficou esquecido por algum tempo na minha estante. Já o havia lido, ou melhor, folheado algumas vezes. Mas, somente antes de escrever este artigo, retomei a sua leitura e me deparei com conceitos que, por descuido ou por falta de atenção, não havia notado na primeira vez que o li. Neste texto vou tratar do assunto que creio que seja a coluna vertebral de todo o livro: o...

Continue lendo

Teoria das Relações Humanas – Elton Mayo

Publicado por em 21/11/11 em Acadêmico | 0 comments

George Elton Mayo, fundador da Escola Humanística da Administração(Teoria das Relações Humanas), era australiano e foi psicólogo, sociólogo e pesquisador das organizações. Entre os anos de 1923 e 1926, como professor da Harvard Business School, realizou a famosa pesquisa denominada Hawthorne Studies, sendo este um dos fatores fundamentais que deu origem à Teoria das Relações Humanas nas organizações. Esta teoria surgiu no contexto dos fatores que desencadearam a crise da quebra da bolsa novaiorquina em 1929. Preocupadas com seu desempenho e rápida recuperação, as empresas começam a estudar a complexidade humana de seus funcionários no processo de produção. Desta forma, o foco na abordagem do homo economicus das teorias anteriores, de Taylor e Fayol, passou para a abordagem do homo social, pregada por Mayo. Nesta abordagem, os humanos passam a ser vistos como indivíduos com cargas emocionais e formadores...

Continue lendo

As bases da Administração

Publicado por em 15/11/11 em Acadêmico, Administração | 0 comments

A tarefa de administrar exige do administrador pleno conhecimento dos fatores que envolvem o exercício da administração. Não é a toa que 38% das micro e pequenas empresas declaram falência e encerram suas atividades antes dos dois anos de vida. Vou mais além, 62% delas estarão fechadas antes dos cinco anos de existência, segundo o SEBRAE-SP. O principal fator que contribui para este alto índice de mortalidade empresarial está na sua má administração, claro que podem haver exceções, mas no geral, o problema consiste em como são administrados. A administração é: “…o processo de tomar decisões e alcançar ações que utilizam recursos para alcançar objetivos.” (Maximiano, A. C. A.) Lá no primeiro semestre de ADM, todos aprendemos na aula de Teoria Geral da Administração alguns conceitos sobre as bases da administração. Um deles são os três pilares: Objetivos, Recursos,...

Continue lendo

Princípios da Administração Científica – Frederick W. Taylor

Publicado por em 05/09/11 em Acadêmico, Administração | 145 comments

Graças ao engenheiro Frederick W. Taylor (1856-1915), a Administração é hoje uma ciência. Os Princípios da Administração Científica, dos quais Taylor é considerado pai e idealizador, tem como característica principal a ênfase nas tarefas com o objetivo de aumentar a eficiência operacional. Antes que Taylor desenvolvesse suas teorias, os próprios empregados administravam a linha de produção das fábricas. Tudo era feito empiricamente e sem nenhum controle por parte da direção das empresas que, em muitos casos, desconhecia o processo de produção. Como resultado a produtividade era baixíssima, pois os próprios sindicatos induziam os funcionários a produzir menos, porque assim, segundo se pensava na época, seus empregos estariam garantidos por muito mais tempo. Por incrível que pareça, a tática funcionava. Foram trinta anos de estudo até que Taylor publicasse sua teoria – acompanhada de fatos – conhecida como os “Princípios de...

Continue lendo