Menu de Páginas do Blog

Gestão | Empreendedorismo | Carreira

Muhammad Yunus: Empreendedor de empreendedores

A visão empreendedora se apresenta na sua melhor forma através da coletividade, que é quando todos os integrantes do processo do desenvolvimento de qualquer atividade são beneficiados. Pois a partir do momento em que alguém visa apenas o lucro próprio, sem importar-se com as partes envolvidas, tende a tornar-se egoísta e deixa de ser empreendedor.

O personagem e a sua filosofia

Muhammad Yunus é um economista bengalês, autor de “O banqueiro dos pobres” e pretende minimizar os efeitos da miséria com o banco que fundou: o Grameen Bank. Em 2006 foi condecorado com o Prêmio Nobel da Paz, pelos seus esforços em promover o desenvolvimento econômico e social das classes desfavorecidas.

Sua filosofia é simples: Os milhões de pobres do mundo “se viram” para sobreviver. Isto, segundo Yunus, se deve ao instinto de sobrevivência ou autopreservação humana. Então a ideia é utilizar este instinto a favor do indivíduo, emprestando-lhe uma quantia em dinheiro, por pouco que seja, para que possa trabalhar e multiplicá-lo. Segundo Yunus, é impossível ter paz com a pobreza.

A ideia

A ideia nasceu quando Yunus encontrou uma jovem, chamada Sufia, que produzia artesanalmente tamboretes de bambu com dinheiro que tomava emprestado de um agiota que, por sua vez, a explorava e que praticamente não lhe deixava lucros. Yunus decidiu emprestar do seu próprio bolso USD 27, a juros bancários normais, para Sufia e outras 42 mulheres que estavam na mesma situação. Surpreendentemente todas cumpriram com pontualidade a devolução do capital com os juros. Daí surgiu a ideia de expandir o processo.

A parte interessante do negócio é que praticamente não há uma obrigação jurídica na transação. Todo o processo é realizado na confiança. A taxa de recuperação dos empréstimos é de 98,85%, nada mal para uma negociação de confiança.

Depois de uma campanha de desprestígio e de ser chamado de “sanguessuga” pela primeira-ministra do seu país, renunciou à presidência do Grameen Bank em maio de 2011. No entanto, Yunus se defendeu, no seu site, dizendo que não fez “nada errado” e que agiu de boa fé com os pobres.

O capitalismo globalizado gera miséria, mão de obra escrava, desperdício de talentos e riqueza obscena para poucos. Iniciativas como a apresentada neste textos estimulam a geração de renda local e sustentável, abrem portas de oportunidades para pessoas de baixos recursos e oferecem perspectivas promissoras para jovens talentos. É uma pena que o Brasil esteja cada vez mais afundado na corrupção, na Educação que nos deixa vermelhos de vergonha, nos impostos à mão armada e no descaso político com as classes menos favorecidas.

Contatos:

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

No Comments

Trackbacks/Pingbacks

  1. Festa de gala no primeiro aniversário do Enfoquenet | Enfoquenet - [...] Claro, o banqueiro dos pobres, o homem que confiava na capacidade de superação humana, não poderia faltar. Ficou o …

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *