Menu de Páginas do Blog

Foco no Empreendedorismo em Rede

Oportunidade ou Necessidade: Os motivos para empreender

O título do post já diz tudo: todos, algum dia, vamos empreender, em menor ou em maior grau, ou por oportunidade ou por necessidade.

Empreendedorismo de oportunidade

Quando alguém decide empreender por oportunidade, o faz porquê obviamente, conseguiu identificar alguma. Coisa que não é tão fácil e nem tão corriqueira assim.

Neste caso, o profissional, especialista ou não, enxerga uma oportunidade de negócios interessante e se direciona para tal. De forma geral, estes eventos desaparecem tão repentinamente quanto surgem. Por isso, quando eles ocorrerem, será preciso manter os olhos bem abertos e ser rápido no gatilho para aproveitá-los. Se não, adeus. Até a próxima. Se houver uma próxima, claro.

Como surgem as oportunidades

As oportunidades, geralmente, dividem-se em dois grandes grupos: as que ocorrem pela dinâmica do mercado(uma mudança nas Leis ou na regulamentação, alta demanda de determinado produto ou serviço, alguma inovação etc), e as que surgem repentinamente do nada(uma ideia, uma invenção, a chance incrível de adquirir um negócio já estabelecido etc). Estas últimas também são conhecidas como “o pulo do gato” e, como dito anteriormente, caracterizam-se porque vêm e se vão num piscar de olhos. Por isso, é preciso estar atento.

Os riscos

No reino das oportunidades, há algumas que representam um alto risco, outras de risco moderado e outras tantas que podemos considerar de baixo risco. Mas, de forma geral, quanto mais elevado o risco, maior poderá ser o retorno e, também, maiores as chances de se perder tudo. Aqui entra em cena o tato do empreendedor. O seu poder cognitivo. A sua capacidade de avaliar cada situação e visualizar possíveis cenários futuros. Pois, além de elaborar uma análise crítica, ele deve saber mensurar investimentos, estimar possíveis lucros ou prejuízos e ser conhecedor dos seus próprios limites. É claro, não pode esquecer que deve ser ligeiro no bote, no pulo.

Mais um adendo: Ajuda muito e diminui-se bastante os riscos se o empreendedor identificar uma oportunidade no seu próprio ramo de atuação. Neste caso, ele já possui a metade do mapa da mina nas mãos. Pois conhece o seu próprio nicho e, provavelmente, já pode contar com alguma clientela no início. Isto é muito importante para o negócio decolar.

Por outro lado, se for um aventureiro assíduo aos riscos e desejar desbravar um território desconhecido, deverá empenhar-se com mais afinco na elaboração de um bom planejamento e possuir recursos suficiente para amortecer alguma aterrizagem de emergência, que eventualmente possa acontecer.

Empreendedorismo por necessidade

Este tipo de empreendedorismo costuma surgir a partir disso mesmo, de uma necessidade do próprio empreendedor. Por tratar-se de alguém que ficou desempregado, que já não é feliz no que faz, ou que deve urgentemente aumentar a sua renda para resolver algum problema pessoal etc.

Esta não é a forma mais recomendável de se empreender. Pois, na maioria das vezes, adentra-se em um universo quase desconhecido e trabalha-se empiricamente, já que, em algumas ocasiões, a necessidade é tanta que não há tempo para planejamentos e capacitações.

O empreendedor por necessidade é corajoso. Ele é daqueles que vão com a faca nos dentes, com sangue nos olhos; são os que simplesmente respiram e vão. Estão numa posição desconfortável, na qual o que importa é gerar tanta renda quanto lhe seja possível, para conseguir apagar seu incêndio financeiro. A maioria dos brasileiros que já empreenderam o fizeram assim.

Falta de planejamento

O grande problema neste caso é que, como a falta de planejamento é inerente a esta modalidade de empreendedorismo, infelizmente as baixas nestas novas empresas são enormes. Mais da metade delas fecham suas portas e encerram suas atividades antes do quinto ano de funcionamento(fontes do Sebrae). E o pior, o empreendedor pode terminar numa situação mais desfavorável do que quando começou. Pois, geralmente, desde antes de falir, estes negócios já não conseguiam manter suas contas em dia. Portanto, suas, na maioria das vezes, são muitas. Além disso, talvez existam salários, imposto e aluguéis atrasados; dívidas com fornecedores, com o cartão de crédito e com os bancos, entre outros.

Contudo, não há uma regra sobre o tipo ideal de empreendedorismo. Mas é notório que os empreendedores de oportunidade estão numa posição mais favorável e, portanto, menos angustiados. Além disso, por não estarem passando por nenhum inferno astral, talvez contem com mais recursos para planejar e executar bem suas ações. Mas, não se engane, isso não é garantia de sucesso. Há belos exemplos de desbravadores que empreenderam do nada, por necessidade, apenas com a cara e a coragem, e hoje se encontram no topo da pirâmide, chegando onde poucos de nós, que lemos este texto, possa chegar.

Desta forma, podemos concluir que a atitude e a capacidade de planejamento do empreendedor ao empreender, seja por oportunidade ou por necessidade, é mais importante que os meios e recursos que ele possui para fazê-lo. E, além disso, o risco é inerente ao empreendedorismo. Como dizem por aí: quem não arrisca, não petisca.

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *