Menu de Páginas do Blog

Empreendedorismo e Carreira

Pera lá, rapaz! Mais respeito com os autodidatas

Primeiro, uma desmistificação: ser autodidata não é coisa somente para gênios. Mas, muitos podem chegar a ser gênios sendo autodidatas. Exemplos: Machado de Assis, José Saramago, Leonardo da Vinci, Abraham Lincoln e Thomas Jefferson, só por citar alguns.

Uma definição mais objetiva e acadêmica poderia ser esta: “indivíduo que possui capacidade de aprender por si só, sem a necessidade de um mestre ou professor”.

Mas, calma lá! Nem todo mundo possui o perfil para aprender sozinho. Desta forma, os mestres e professores sempre terão um nível de importância maior e uma posição privilegiada na transmissão de qualquer conhecimento.

O ovo ou a galinha

Ninguém conseguiu ainda explicar direito quem veio primeiro: se o ovo ou se a galinha. Porém, no campo do conhecimento a resposta é clara e certeira: o autodidata veio primeiro que o escolarizado, formado, graduado, pós-graduado, mestrado, doutorado e tantos quantos “ados” a mais que houverem por aí. A imaginação me remete àquele carinha lá atrás no tempo, um dos nossos primeiros ancestrais diretos, correndo com uma tocha muito precária em direção a uma árvore que pegou fogo após ser atingida por um raio, para aproveitar a chama. Certamente, em sua comunidade, ele devia ser o especialista em fogo. O outro que “inventou” a roda também… era o “cara” que revolucionou o transporte. Daí seguem outros exemplos: o caçador, o místico(religioso), o da colheita, o da guerra, o do clima, o da navegação etc… tudo autodidata. Aprenderam na raça, no teste e erro. É claro que este traço humano não se perdeu. Ainda não!

Além da sua capacidade de aprender sozinho, um autodidata consegue desfrutar de algumas outras vantagens. Entre elas:

  • Economia de dinheiro(já que não precisa pagar caro para adquirir conhecimento);
  • Disponibilidade de tempo(ele mesmo dita o seu próprio ritmo);
  • Aprendizado específico(pode escolher a sua própria “grade” de ensino);
  • Escolha de temas e fontes de pesquisa(pode variar das fontes tradicionais de pesquisas e incluir várias fontes alternativas, não aproveitadas no meio acadêmico);
  • Teste e erro(pode ir aprendendo e testando na prática o que aprendeu).

Mas também tem muitos riscos:

  • Fontes erradas(se não estiver bem informado pode acabar errando na escolha da fonte);
  • Teste e erro(apesar de eu ter apontado este ponto como vantagem, também pode ser categorizado como desvantagem, pois dependendo do erro cometido, pode-se perder muito mais que apenas horas de estudo);
  • Procrastinação(como não possui um plano de aulas fixo, pode acabar deixando tudo pra depois, sempre);
  • Erros de interpretação(sem a tutoria de um profundo conhecedor dos temas, pode cometer equívocos de interpretação e aprender determinado assunto de uma forma errada);
  • Falta de reconhecimento dos seus estudos(pela ausência de um diploma bonitinho).

Algumas características pessoais necessárias para o autodidata:

  • Disciplina;
  • Foco;
  • Força de vontade;
  • Facilidade de assimilação;
  • Engajamento em projetos pessoais(iniciar e terminar seus projetos);
  • Capacidade de autocrítica e de auto análise.

Como informação adicional, podemos dizer que 24% dos bilionários da lista Forbes nos últimos 20 anos podem ser considerados autodidatas, pois não são diplomados em nenhuma área. Isso significa que sim, que há espaço para profissionais com o perfil autodidata. Apesar que as chances de sucesso, baseado nesta análise, sejam três vezes maiores para quem possui algum diploma.

Para terminar e para não criar falsas expectativas em nossos leitores, um recado: siga a trilha do autodidatismo somente se tiver o perfil adequado para isto. Pois seria muito frustrante se, após anos de tentativa, perceber que a experiência não foi tão proveitosa como se imaginava.

About Antonio Martins Jr.
Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *