Pages Navigation Menu

Foco no Empreendedorismo em Rede

O que um gestor estratégico pode achar numa Feira de Empreendedorismo

Dizem por aí que o conhecimento é um fardo terrível. Deve ser porque ele te faz ver e imaginar coisas que os outros não veem nem imaginam. E isto nem sempre é uma sensação tão agradável assim. Pois, às vezes vem acompanhado de uma profunda agonia ao poder perceber, por exemplo, que alguns negócios potencialmente bons estão sendo tocados de forma amadora e sem um objetivo claro, um norte, uma missão.

Nas outras vezes que fui à Feira de Empreendedorismo em São Paulo, era apenas um graduando em Administração, cujo maior objetivo de estar ali não passava de poder ganhar horas extracurriculares, para cumprir com as exigências do curso. Este ano, porém, 2017, sem grandes pretensões acadêmicas, fui com o título de especialista em gestão estratégica, respaldado por um MBA nesta área. E, desta vez, a feira me deixou um sabor misto de satisfação, por haver ido e visto algumas coisas realmente interessantes, sob outra ótica, e de frustração, por perceber o quão sem chão alguns empreendedores parecem estar, ao gerenciar de forma bastante deficiente a exposição de seus negócios em um evento deste porte. Talvez este seja o fardo que dizem sobre o conhecimento: o olhar crítico sobre o que não está sendo bem feito.

Mas vamos ao ponto. Andei por boa parte da feira e peguei vários folhetos e catálogos para revisar e conhecer melhor os sites dos negócios, sem pressa em casa. Ao revisar um por um, visitei alguns sites e verifiquei várias possibilidades interessantes ali.

Outros, porém…

Bom, aqui vai a primeira: Alguns destes negócios sequer tinham site para visitar. Isso é um erro imperdoável. Na Era da Informação ninguém é obrigado a procurar pelo seu negócio numa lista telefônica, de umas três mil páginas, com novecentos mil números telefônicos, em letras miúdas.

Outra: o e-mail utilizado por alguns são aqueles gratuitos, nada profissionais, terminados, por exemplo, em @gmail.com, @hotmail.com, etc. Se você não puder levantar R$300,00 por ano para contratar um domínio e um servidor para ter um e-mail decente, você não está apto para um negócio no séc. XXI.

Também haviam alguns expositores que – evidentemente funcionários que estavam ali sacrificando seu domingo – deixavam mais dúvidas que esclarecimentos.  Fica claro a falta de preparo e motivação adequada. Outra vez: culpa do chefe.

Por falar em exposições, salvo um que outro, pois foram criativos e diferenciados, a maioria seguia o velho clichê de pedir a atenção por um minuto e logo falar sobre o negócio em menos tempo que isto, uns 15 ou 20 segundos talvez; em seguida entregaram um folheto básico, dizendo um singelo “obrigado pela sua atenção”, achando que você realmente entraria em contato com eles depois da feira para fechar algum negócio. Se você adquiriu um espaço na feira (que não é barato), se levou máquinas, televisores, computadores, estrutura para lá, faça-se um favor e ame-se mais. Trabalhe direito! Mesmo que atinja menos gente. O esforço e investimento aplicado ali, nestes quatro dias inteiros, tem que valer a pena.

Mas por outro lado, ficou evidente a tendência da economia brasileira pendendo mais para o lado dos serviços que para a indústria. Apesar que esta deve permanecer forte muito mais tempo ainda. Afinal, fazemos parte do seleto grupo de países em desenvolvimento. Outra coisa: havia ali muitos jovens. Não sei quantos deles estavam como eu anteriormente, por mero cumprimento de metas acadêmicas. Mas é bom que estejam ali. Esse país precisa de mais gente empreendedora de verdade!

Para finalizar, devemos concordar que micro (Grandes!) negócios podem nascer nestas feiras, em cada máquina compacta que pode ser usada em casa; em cada nova franquia adquirida; em cada palestra; em cada passo dado em direção à superação pessoal dos empreendedores; em cada vez que “peitamos” nossos novos desafios munidos apenas com a cara e a coragem. É nesta parte que o nosso conhecimento deixa de ser um fardo e passa a ser um prêmio.

Antonio Martins Jr. – já publicou 231 posts neste blog.Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

468 ad

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *