Menu de Páginas do Blog

Foco no Empreendedorismo em Rede

Turnaround – Coisas que você vai precisar saber para dar a volta por cima da crise

Pequenas empresas enfrentam muitas crises no decorrer de suas vidas. Isso é fato. Os empreendedores devem aprender a lidar com isto. Embora alguns consigam superar suas crises, infelizmente a maioria ficará pelo caminho. O Sebrae já levantou um dado alarmante: De 2000 pra cá, 58% dos novos negócios encerraram atividades antes do quinto ano de vida, somente no Estado de São Paulo. Porque? Em maior parte devido diversos erros na gestão desses negócios. E sabemos que em tempos de crise, a última coisa que vamos querer fazer, é cometer erros. O mercado não perdoa: ame-o e aprenda a jogar o seu jogo; ou ignore-o, fracasse e deixe-o para sempre.

Identificando a crise

Como qualquer um de nós (em condições normais e naturais), uma empresa não morre de repente. Leva algum tempo entre os primeiros sinais de que algo anda mal e o seu colapso total. Cabe ao empreendedor, ou a equipe gestora, identificar a tempo estes sinais e corrigi-los logo no início. Agindo assim, serão muito altas as chances de recuperação.

Estes são os principais sinais de que há uma crise logo ali na frente:

  1. Realização de prejuízos constantes ou queda acentuada nos lucros;
  2. Acumulação de dívidas tributária (incapacidade de pagamentos de impostos);
  3. Aumento do endividamento (empréstimos e créditos não honrados);
  4. Atraso sistemático no pagamento dos fornecedores;
  5. Atraso nos pagamentos dos funcionários.

Geralmente nesta ordem, mas pode haver alguma variação ou outros fatores além dos que foram mencionados.

A adequada leitura de um DRE poderia acender a luzinha de emergência logo no primeiro sinal. Isto daria tempo de agir e evitar que um diagnóstico ruim evoluísse para os demais. A falta deste conhecimento não é incomum na gestão da maioria dos negócios, podendo levar às pequenas empresas ignorarem – ou mesmo não reconhecerem – que estão em crise e, desta forma, não procurarem maneiras de corrigir seu rumo. Sua inação é sua maldição. É algo assim como uma tragédia anunciada.

Sair da crise exigirá mais que sorte. Se não houver competência, criatividade e coragem para tomar e implementar algumas decisões difíceis, é pouco provável que possa se livrar dela.

Sacrifícios e Gestão

Alguns sacrifícios deverão ser feitos: cortes de despesas (incluindo corte de pessoal), de serviços terceirizados, de serviços não essenciais (tv a cabo, internet ultra rápida, linha telefônica ociosa etc.), troca de fornecedores, economia no consumo de energia elétrica, água, telefone, entre outros. Mas o maior e mais necessário dos sacrifícios, talvez seja a inevitável troca da gestão do negócio. É impossível obter resultados diferentes, se quem está no comando se habituou a fazer sempre as mesmas coisas e resiste às mudanças. No caso de uma pequena/média empresa, isso é relativamente mais fácil de resolver. Demite-se uns e contrata-se outros. Porém, no caso de um empreendedor solitário, ele deverá, literalmente, “se virar” para mudar suas atitudes com seu pequeno negócio.

Conhecimentos e habilidades

Geralmente, as pequenas empresas carecem de amplo know how, capital e gestão profissional. Desta forma, ficam tão vulneráveis que uma crise quase sempre as impacta mais impiedosamente que as empresas que os possuem. Sem os conhecimentos adequados e o jogo de cintura para lidar com os momentos difíceis, o negócio fica à deriva, sem chão, num mato sem cachorro. Por isso, o empreendedor deverá ser ligeiro e investir em capacitação profissional própria e de seu pessoal.

O Plano

O segredo para superar uma crise está tanto na existência de um Plano de Ação quanto no rigor e assertividade do mesmo. Se o plano é ruim, não espere um desfecho melhor.

A Saída

Agora sim, respondendo à pergunta inicial sobre o que você precisa saber para dar a volta por cima, alguns especialistas em gestão dizem o seguinte:

  1. Não esperar apenas por milagres ou pela sorte;
  2. Reconhecer que está em crise (quando ela vier);
  3. Analisar profundamente o negócio e diagnosticar os problemas. Atente para todos os aspectos possíveis: financeiros, relacionamento, produtividade, gestão, marketing etc.;
  4. Identificar o estado da crise: inicial, intermediário ou avançado. Quanto mais grave o problema, menos se poderá fazer para evitar o pior;
  5. Montar um rigoroso plano de ação em cada frente de atuação;
  6. Recuperar a credibilidade de seus grupos de interesse: fornecedores, funcionários, clientes, comunidade… Por isso o Plano é tão importante, pois com ele, você poderá demonstrar o passo a passo de como fez para identificar e entender o seu problema, e como pensa resolvê-lo.

Neste último caso, sua atitude proativa pode acender a chama da confiança em todos e engajá-los na sua luta pela sobrevivência da empresa. E não só por isso; mas, sim, porque todos merecem uma satisfação sua. Afinal, em algum momento eles acreditaram no seu negócio.

Antonio Martins Jr. – já publicou 233 posts neste blog.Fundador e gestor do blog Enfoquenet. Bacharel em Administração de Empresas. MBA em Gestão Estratégica. Autodidata na maior parte do tempo. Webdesigner, com ênfase no WordPress desde o início do século. Aficionado em fotografia e jardinismo.

468 ad

Comente o post!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *